sábado, 13 de outubro de 2012

Saber o que uma imagem representa

No universo dos documentos imagéticos de arquivo é fundamental saber o que uma imagem representa para evitar compreensões equivocadas. Tomemos como exemplo a imagem abaixo:
Detalhe de foto por André Porto Ancona Lopez
Se você tem um mínimo de cultura beatlemaníaca irá dizer que se trata de uma representação célebre capa do álbum "Abbey Road". Se não tiver tal informação poderá dizer que se trata de um grupo de músicos caminhando sobre um teclado. De qualquer modo, mesmo com a acertada referência aos grupo de Liverpool, dificilmente alguém diria se tratar de material publicitário de campanha educativa de trânsito, dada à tendência de se interpretar as imagens de modo isolado de seu contexto. Como vemos adiante, a alternativa mais improvável era a correta:
Foto André Porto Ancona Lopez
Trata-se de uma campanha publicitária feita pela prefeitura de Sabaneta, Colômbia, com os dizeres “O pedestre primeiro”, exposta junto à praça principal daquela cidade, que é o local de maior circulação de veículos e concentra o maior tráfego de turistas. A imagem publicitária tem a característica de se remeter a outras imagens mais  conhecidas. Neste caso, a referência só funciona com pessoas mais velhas, que tenham alguma base de cultura beatlemaníaca. Porém, mesmo sem a compreensão da referência musical, a mensagem (de trânsito) é bem clara indicando a necessidade de respeito ao pedestre. Em termos de significação arquivistica, o docuemnto, antes de ser uma homenagem aos Beatles é um produto da Secretaria de Governo da cidade de Sabaneta. 

É preciso, ainda, saber o que contextualizar: a faixa, ou a imagem da faixa? No caso do documento fotográfico, não se está mais falando de um produto da cidade de Sabaneta, porém de um registro produzido, deliberadamente, com a finalidade de ilustrar didaticamente questões relativas às imagens para este blog.

3 comentários:

  1. Agradeço à Profa. María Crsitina Betancur do curso de Arquivologia da Universidad de Antioquia e ao eterno Vicente Fernandez pelas ideias inspiradoras deste post.

    ResponderExcluir
  2. Em termos de cultura do design, a abordagem proposta estaria ainda sujeita a críticas, relacionada a questões de comunicação visual, e da validação do uso simbólico desta imagem neste contexto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho meio complicado em falar em validação de algo que já está feito. De qualquer modo, há, sem dúvida, outros focos de abordagem, como, na sua sugestão, o campo do design. A replicação das principais ideias deste post na SNCT (ver nota aqui) me permitiu observar empiricamente que os especadores que não têm Abbey Road como referência (os mais jovens) tendem, sem nenhum sugestionamento, a associar a imagem à uma faixa de pedestres. Ou seja, do ponto de vista da comunicação visual, a imagem é bastante eficiente em relação aos objetivos educativos da campanha de Sabaneta.

      Excluir